Descobertas e cenas

Das descobertas:

Recentemente descobri que eu pareço comigo, não, não enlouqueci de vez, calma que já explico, eu sou igualzinha a mim mesma em fotos, sabe aquele tipo que você pode me encontrar lá na Malásia, olhar para mim e dizer: "Jan, tás fazendo o que que por aqui?", mesmo sem nunca ter me visto pessoalmente? Pois sou eu.

Mas, também descobri que por fotos pareço ser alta, lamento decepcioná-los, mas não sou alta, tenho 1,62 (3) e só!

Estou realmenete magra, admito, não ligo muito, mas estou chateada é que agora só tenho uma calça jeans que sirva, a outra fica caindo (merda ao cubo)

Das cenas:

Cena 1:

Com Marlene e Maria no carro, tocando uma música antiga que eu nunca tinha ouvido, e nós três aos gritos cantando o refrão: "as dunaaaaaaaaaaasssss", nesta empolgação passamos em frente a casa onde o escritor Camilo Castelo Branco se matou, e Marlene esqueceu de me mostrar.

Pausa
Ele ficou conhecido aqui no Brasil através do livro Amor de Perdição, e segundo Marlene eu nasci na época errada sou tipo a Teresa (personagem principal deste livro) que vai definhando de amor. Devo dizer que sou assim mesmo, é de enlouquecer.
Despausa

Voltavamos às 3h da madrugada alegres e falantes, mas desta vez sem cantar e aí sim Marlene me mostrou a Casa-Museu do Camilo, por motivos óbvios não entramos, mas bem que devia funcionar 24 horas...


Cena 2:

Restaurante estilo Hamburgueria Pin-Up, eu conversando com meus amigos César e Susana, falando pelos cotovelos, quando percebo um rapaz (era novinho mesmo, uns 20 e poucos anos) olhando fixamente para mim na mesa em frente...detalhe estava de costas para mim, simplesmente virou a cadeira e ficou encarando...eu me fazendo de Monalisa cega, até que ele mandou uma menininha de uns 6 anos, que estava ao lado dele na mesa, virar-se e olhar para mim, a menininha virou-se e aí criança sabe como é eu ri, ela riu e deu tchau, eu também. O cara ficou todo feliz.

Perto de meia noite o pessoal que estava na mesma mesa que ele levanta para sair, e ele também claro, nestas alturas todo mundo dava uma espécie de espiada em mim, ele ri e dá tchau, eu rio de volta e pronto.

Que pronto que nada, o cara sai, depois volta e do vidro faz aquele gesto característico com as mãos chamando...eu me faço de doida fico rindo, meus amigos percebem e começam a tirar onda com a minha cara dizendo que estou "a arrasar corações". Acabam me deixando na porta do hotel com medo que o fã estivesse me esperando na esquina, por que essas coisas acontecem comigo????

Comentários

Anônimo disse…
Finalmente consegui entrar aqui para te deixar um comment que bem mereces amiga.

Aquela noite foi maravilhosa sim, porque conheci pessoalmente uma das minhas melhores amigas de sempre. Nunca mais ouvirei as Dunas ou a Broken hearted girl sem me lembrar de ti.

Disse-te que eras como Teresa mas não é bem assim. Nunca irás morrer de amor como ela, até porque burro cego nenhum merece isso! Vais sim, é ser muito feliz porque mereces e porque irás fazer por isso também e eu cá estarei para rir contigo e para chorar também. Afinal somos "soul sisters", certo?

Adoro-te amiga e morro de saudades tuas!

Beijos enormes do tamanho da nossa capacidade de amar!

marlene da cal

Postagens mais visitadas deste blog

Virtual ou Real?

Está chegando...

Heróis literários ou Forever 17